foto 01

Namoro não tem definição jurídica, diferente da união estável e o casamento, namoro é uma presunção de lealdade e fidelidade entre ambas as partes, é uma relação de afetividade entre duas pessoas.

Quando há dependência financeira continua entre ambas as partes o relacionamento está atrelado a uma relação de união estável, que reclama a conjugação de alguns elementos subjetivos, quais sejam, animus de constituir família e relacionamento afetivo recíproco, bem como elementos objetivos, quais sejam: a convivência continua, publica e duradoura.

Em uma relação de namoro não quer dizer que não possa haver uma entrega de presentes, pois namorados se presenteiam constantemente. Portanto deve-se consignar que a diferenciação entre namoro e união estável é fundamental, pois relações meramente afetivas não geram efeitos patrimoniais e assistenciais.

Com a caracterização da união estável, os companheiros possuem deveres e direitos, como lealdade, respeito, assistência, guarda, sustento e educação dos filhos. Além disso, no aspecto patrimonial, praticamente iguala-se a união estável ao casamento, por sujeitar-se, no que couber ao regime da comunhão parcial de bens. Analogamente, o direito a alimentos entre companheiros obedece aos critérios previstos para parentes e cônjuges, fixando-se de acordo com as necessidades do alimentado e as possibilidades do alimentante.

Importante ressaltar, que quando há uma dependência financeira entre ambas as partes, assim como o pagamento de contas específicas continuamente, ou uma ajuda financeira mensal, ou mesmo a garantia como fiador de uma determinada locação imobiliária, há grandes indícios de um comprometimento maior, ou mesmo a presunção de uma relação de união estável.

O contrato de namoro poderá ser necessário quando alguma das partes no âmbito da relação de namoro entende que futuramente aquele relacionamento afetivo poderá ser confundido como uma união estável, ou mesmo quando a sociedade vê o relacionamento de ambos propenso a viverem em união estável ou em um possível casamento, devendo este se precaver através do contrato de namoro a resguardar os seus bens e proteger o seu patrimônio, sob pena de seu relacionamento ser confundido como uma união estável e consequentemente o regime de comunhão parcial de bens e sua partilha.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta